Sofrimento e Desonra: o código da Glória de Cristo

Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos e o coroaste de glória e de honra.
Hebreus 2:7

Após morrer na Cruz, Cristo foi ressuscitado pelo poder do Espírito Santo e da glória do Pai. Quando Ele ressuscitou, foi coroado de Glória e Honra, e hoje, entenderemos o motivo pelo qual Cristo recebeu essa coroa. Ou seja, Ele recebeu a coroa de glória e honra, e não de outro tipo; como, por exemplo, a coroa da vida, a coroa da vitória, coroa de ressurreição, coroa de amor e etc.

Para compreendermos isso, é fundamental entendermos que há diversos tipos e níveis de glória, assim como podemos ver nas Escrituras. A primeira aparição da palavra glória está em Êxodo 16:7, quando Moisés e Arão informam ao povo que na manhã seguinte eles veriam a glória do Senhor.

No capítulo 24 de Êxodo, fala que o povo israelita viu a glória e ela era como um fogo consumidor. Já em Ezequiel no capítulo 1 versículo 28, Ezequiel vê a glória do Senhor e a descreve como “um arco-íris nas nuvens de um dia chuvoso e seu resplendor”. Outras passagens da Bíblia falam da glória do Senhor manifestando-se em meio a uma fumaça, ou em meio à arca da aliança sobre os querubins.

Agora, leiamos o versículo abaixo para entendermos a existências dos diferentes níveis de glória:

E acrescentou: “Você não poderá ver a Minha face, porque ninguém poderá ver-Me e continuar vivo”. E prosseguiu o Senhor: “Há aqui um lugar perto de Mim, onde você ficará, em cima de uma rocha. Quando a Minha glória passar, Eu o colocarei numa fenda da rocha e o cobrirei com a Minha mão até que Eu tenha acabado de passar. Então, tirarei a Minha mão e você verá as Minhas costas; mas a Minha face ninguém poderá ver”.
Êxodo 33:20-23

Ao ler o versículo acima, talvez questionemos o pedido de Moisés ao Senhor quando ele pede para ver a Sua glória. Pois sabemos que tanto Moisés como os israelitas já tinham visto a glória do Senhor. Na realidade, quando Moisés pede para ver a face de Deus e Sua glória, ele compreendia que existia outro nível da glória de Deus – o qual ele ainda não tinha visto.

Esse é o nível no qual é vista a Glória da Face de Deus. A qual é um tipo de glória que o homem não pode ver, pois ela habita em luz inacessível. Moisés conversava cara a cara com Deus, no entanto, ele não tinha visto a glória da Sua face ou do Seu rosto.

“o único que é imortal e habita em luz inacessível, a quem ninguém viu nem pode ver”.
1 Timóteo 6:16

Veja bem, é necessário compreender que sempre que é lida a palavra glória na Bíblia, esta pode estar se referindo a distintas manifestações da glória de Deus. Ou seja, como já foi dito: há vários tipos de glória, e cada uma se revelará de uma forma diferente.

Neste estudo, não iremos nos aprofundar no conhecimento desses diversos tipos da glória de Deus visto que já existem estudos que abordam o tema das inúmeras traduções da palavra glória – como, por exemplo, as palavras Kavod e Shekinah. No grego ela tem um significado e no hebraico outro. Porém, o que verdadeiramente importa é o significado da GLÓRIA no céu.

Ao lermos o Novo Testamento, vemos que Cristo tem a Sua glória. E essa glória é outro nível e outro tipo daquelas faladas anteriormente no Velho Testamento, pois é a glória do Cristo.

Não devia o Cristo sofrer estas coisas, para entrar na Sua glória?
Lucas 24:26

E agora, Pai, glorifica-me junto a ti, com a glória que Eu tinha Contigo antes que o mundo existisse.
João 17:5

Bom, até aqui já entendemos que existem diferentes tipos, níveis e manifestações de glória. E acabamos de ler que o Cristo tem a Sua própria glória, que é a mesma que Ele tinha antes mesmo do mundo ser fundado. E o foco do nosso estudo será à respeito da glória de Cristo e como entramos nela.

O QUE É A GLÓRIA DE CRISTO?

A glória de Cristo é a glória do Filho. A glória de Cristo se refere à natureza de ser Filho. Ou seja, em ser igual ao Pai em todos os Seus atributos, com a restauração plena da imagem e semelhança do Pai na terra.

Compreenda que toda manifestação de glória causa uma mutação genética ou uma mudança na natureza. Você pode ler e estudar sobre isso, aqui no site da Igreja Gloriosa, na palavra sobre os Poderes da Era Vindoura.

A manifestação da glória de Cristo gera a restauração dos códigos criativos e ativa no homem o processo de redenção e regeneração do corpo, alma e espírito, pois o homem caiu em pecado e foi destituído da glória de Deus. Lembre-se que em Romanos 3:23 fala que todos pecaram e foram destituídos da glória de Deus.

Sendo assim, traduziremos glória como sendo a natureza do Eterno. Então, ao reescrever o versículo de Paulo aos romanos, lemos: “todos pecaram e perderam a natureza de Deus em sua imagem e semelhança”.

Cristo veio trazer o Reino de Deus e formar filhos de Deus. Ele não veio abrir igrejas! Ele não veio abrir denominações! Ele não veio fazer uma nova religião! Veja bem, Cristo veio para manifestar o Reino de Deus e levantar uma geração de filhos de Deus em Sua plenitude.

Ele veio restaurar a identidade, a imagem e semelhança nos homens da mesma forma como Adão era no jardim do Éden. Para isso, é preciso que os homens acessem a Glória de Cristo, e entrem e recebam o batismo nessa glória, para outra vez possuírem a natureza de Deus na terra. Isso nos levará a atingir o nível de viver o sobrenatural como se fosse natural, nosso dia a dia será composto do sobrenatural do Reino de Deus.

Mas como entramos e recebemos a Glória de Cristo? Somente por meio do sofrimento e da desonra! Essas duas coisas nos habilitam a acessar de forma mais rápida e genuína a Glória do Filho de Deus.

Esse padrão foi imposto ou estabelecido desde o início da fundação do mundo. Em Gênesis capítulo 1, a terra estava em sofrimento e desonra. Isso mesmo! A terra é um ser vivo para Deus, e a condição dela era triste e terrível. Estava em sofrimento e era o único planeta com desonra, pois havia trevas, abismo, vazio e deformidades.

Para mudar o panorama da terra, o Senhor, nosso Deus, manifestou a Sua Glória. Quando disse “Haja Luz”, Ele estava dizendo: “Cristo, venha e se manifeste”. Então, Seu poder começou a operar e a transformar o caos em beleza. Isso acontece ao longo de toda a Bíblia, só que em diferentes medidas e manifestações.

Você já leu que o povo ficou mais de 400 anos preso e sofrendo no Egito? E o que aconteceu depois? Uma grande manifestação da Glória de Deus. O povo do deserto era murmurador e de coração duro, mas mesmo assim, a Glória do Senhor apareceu a eles. E por quê? Pois é um direito e herança daqueles que passam por sofrimento e desonra.

Mas não serão todos os que passam por sofrimento e desonra que verão a Glória de Deus. Primeiramente, em Cristo, tudo tem que ser feito pela fé no Filho de Deus, e ainda, deve-se andar e permanecer em Seus caminhos.

Em segundo lugar, há um tipo de sofrimento que vem da rainha dos céus e, da mesma forma, ela manifesta a sua glória na vida das pessoas que passam por esse sofrimento. O que faz com que elas tenham a natureza da rainha dos céus e vivam uma vida que glorifica o reino das trevas e não a Deus.

procurando saber o tempo e as circunstâncias para os quais apontava o Espírito de Cristo que neles estava, quando lhes predisse os sofrimentos de Cristo e as glórias que se seguiriam àqueles sofrimentos.
1 Pedro 1:11

Mas alegrem-se à medida que participam dos sofrimentos de Cristo, para que também, quando a sua glória for revelada, vocês exultem com grande alegria.
1 Pedro 4:13

Portanto, apelo para os presbíteros que há entre vocês, e o faço na qualidade de presbítero como eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo, como alguém que participará da glória a ser revelada.
1 Pedro 5:1

Você deve sofrer o sofrimento de Cristo por amor a Ele e por Ele, e não por você mesmo! Cada sofrimento e desonra tem um peso de glória que será acrescentado na sua vida e no seu espírito. De maneira que, a cada manifestação, você se tornará mais semelhante ao Pai e manifestará a pessoa de Cristo.

Com base nesse entendimento, é possível cogitarmos que Satanás tenha paralisado a perseguição aos cristãos no ano de 321 D.C. (época em que Constantino era imperador de Roma). Constantino perseguia ferozmente os cristãos, no entanto, após a sua conversão, o cristianismo foi instituído como religião oficial do estado e as perseguições cessaram.

Os sofrimentos provocados pelas trevas naquele período levantou uma gloriosa geração que andava em muito poder e glória. Isso trouxe, a longo prazo, um grande prejuízo às trevas, pois à medida que havia mais sofrimento, mais glória e poder se manifestavam. E a estratégia de satanás para deter isso foi enganando os cristãos daquela época para viverem de forma cômoda, e falhando no zelo pelo Reino de Deus.

A CHAVE DA DESONRA

Não é somente o sofrimento que abre essa porta de acesso à Glória do Filho. A desonra também é uma poderosa chave! Pois Cristo foi coroado não somente de glória, mas de também honra. Por quê?

Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos e o coroaste de glória e de honra.
Hebreus 2:7

Jesus foi considerado digno de maior glória do que Moisés, da mesma forma que o construtor de uma casa tem mais honra do que a própria casa.
Hebreus 3:3

É semeado em desonra e ressuscita em glória; é semeado em fraqueza e ressuscita em poder;
1 Coríntios 15:43-45

Na primeira carta aos Coríntios capítulo 15, Paulo explica que é preciso semear fraqueza e ressuscitar em poder, semear desonra e ressuscitar em glória. E ressuscitar em glória também ocorre por meio da desonra. Veja bem, essa desonra é: falta de dignidade ou ser desprezado; desvalorizado ou não estimado.

Ou seja, é quando já estamos em uma posição de sofrimento, e junto a isso não temos nada de bom, estamos sem valor e humilhados ao pó. É então que a manifestação da Glória de Cristo começa a agir.

Portanto, fomos sepultados com Ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova. Romanos 6:4

Glória, honra e imortalidade são os pilares que atuam naqueles que passam pelos sofrimentos de Cristo e pela desonra, e por fim, morrem para si e esperam no Pai a ressurreição em Glória.

Leia os versículos a seguir para meditar e aprofundar:

Lucas 24:26 – Não devia o Cristo sofrer estas coisas, para entrar na Sua glória?”

Hebreus 1:3 – O Filho é o resplendor da glória de Deus e a expressão exata do seu ser, sustentando todas as coisas por sua palavra poderosa. Depois de ter realizado a purificação dos pecados, ele se assentou à direita da Majestade nas alturas.

1 Tessalonicenses 2:12 – exortando, consolando e dando testemunho, para que vocês vivam de maneira digna de Deus, que os chamou para o Seu Reino e glória.

2 Tessalonicenses 2:14 – Ele os chamou para isso por meio de nosso evangelho, a fim de tomarem posse da glória de nosso Senhor Jesus Cristo.

1 Coríntios, 15:43 – é semeado em desonra e ressuscita em glória; é semeado em fraqueza e ressuscita em poder;

2 Coríntios 4:4 – O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes, para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus.

2 Coríntios 4:17 – pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles.

Romanos 6:4 – Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova.

Romanos 8:17, 18 – Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se de fato participamos dos seus sofrimentos, para que também participemos da sua glória. Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada.

a Glória do Filho de Deuscéucódigocoroadesonraface do Senhorfilhos de DeusglóriaGlória da face de Deusimagem e semelhança do Pailuzmorte de cruznatureza de Deusnatureza do Eternoníveis de glóriaperseguiçãopeso de glóriaplenitudereino de DeusRessurreiçãosobrenaturalsofrimento

igrejagloriosa • 8 de junho de 2017


Previous Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado / Campos obrigatórios estão marcados *